domingo, 27 de janeiro de 2008

Global Risks 2008 - Algumas considerações adicicionais

Prezados

Na postagem anterior, fiz alguns comentários sobre o relatório “Global Risks 2008 - A Global Risk Network Report” publicado pelo Fórum Econômico Mundial, disponível em http://www.weforum.org/pdf/globalrisk/report2008.pdf , que, como já disse, destaca a necessidade de uma nova forma de pensar o problema da energia no mundo.

Aquele documento destaca que o ano de 2007 viu um aumento dos preços do petróleo, tornando-os comparáveis aos preços da década de 1980, se ajustados pela inflação. Os autores acreditam que, embora exista considerável incerteza a longo prazo sobre as oferta e demanda mundiais, pelo menos no horizonte de 10 anos, coberto por aquele relatório, deve-se acreditar que há poucas razões para os preços da energia cairem significativamente e muitas para eles aumentarem.

Assim, no curto prazo, há uma sensação de aperto no mercado. Mercado mundial, já que o documento não fala especificamente do Brasil, onde as autoridades insistem em declarar a situação não tão desconfortável quanto se pinta. Afinal de contas, o Brasil parece não pertencer mesmo a esse mundo analisado de forma sistêmica pelo Fórum Econômico Mundial.

Voltando às análises do relatório, há a percepção de que a cada vez maior proximidade entre as curvas de oferta e demanda de energia tem acentuado a vulnerabilidade a interrupções no abastecimento. Isso lá no mundo deles, para que ninguém diga que sou alarmista! Para os próximos 10 anos, a Agência Internacional de Energia identifica esse risco de uma forma muito acentuada, na medida em que os investimentos na produção de energia não conseguem acompanhar o ritmo do aumento da demanda. Lá, volto a insistir, pois a análise é mundial.

Os dados do relatório indicam investimentos necessários ao atendimento da demanda prevista para 2030 sendo estimados em US$ 11,6 trilhões, mas as incertezas existentes no momento quanto ao retorno sobre esses investimentos e quanto ao futuro da regulamentação ambiental, em especial devido aos cuidados necessários com os gases causadores do efeito de estufa, significam que tais investimento não podem ser feitos de imediato.

A Agência Internacional da Energia tem previsto um aumento de 37% na procura de petróleo atingindo 116 milhões de barris por dia em 2030, mas o relatório informa que o investimento em exploração tem deixado a desejar e muitos especialistas sugerem que a produção petrolífera até lá provavelmente não ultrapassará 100 milhões de barris por dia.

Outro importante detalhe destacado pelo relatório é a economia global tem conseguido demonstrar notável resistência aos aumentos dos preços finais da energia desde 2004. Mas o limite dessa resistência parece estar perto de ser alcançado. O ganhos de eficiência energética mais fáceis, provavelmente já foram realizados. Além disso, as condições financeiras, que têm prevalecido nos últimos anos, com uma abundante liquidez, resultante, em parte, das alta dos preços de insumos energéticos, possibilitando excedentes financeiros aos países exportadores , têm mudado.

O resultado dessas observações contidas no relatório é não somente o aumento do risco de preços de energia mais elevados, mas, potencialmente, um aumento da vulnerabilidade da economia global.

Forte abraço

Fernando Goldman

sábado, 26 de janeiro de 2008

Global Risks 2008 - A Global Risk Network Report

O bem conhecido Fórum Econômico Mundial é uma organização internacional independente, empenhada em melhorar a situação mundial através do envolvimento dos líderes na definição de agendas globais, regionais e industriais. Criado como uma fundação, em 1971, tem sua sede em Genebra, Suíça. É imparcial e sem fins lucrativos, não sendo vinculado a nenhum interesse nacional, político ou partidário.
O Fórum Econômico Mundial vem chamando atenção de que em um ambiente global cada vez mais complexo e interligado, os riscos, já não podem mais ser delimitados a fronteiras geográficas ou organizações e nenhuma empresa, indústria ou estado pode sozinho compreender e mitigar com sucesso os riscos globais.
O Fórum Econômico Mundial acaba de publicar o relatório “Global Risks 2008 - A Global Risk Network Report”, documento disponível em http://www.weforum.org/pdf/globalrisk/report2008.pdf , que destaca a necessidade de uma nova forma de pensar e de uma ação orquestrada sobre uma série de problemas.
O relatório manifesta receios de que a atual crise de liquidez irá lançar os E.U.A em recessão nos próximos 12 meses, e apela a pensar de forma sistêmica sobre o risco financeiro em resposta à revolução nos mercados financeiros ao longo das últimas duas décadas.
Entre outras análises de riscos globais, há destaque para o papel da energia.Segundo esse relatório, energia é um dos elementos fundamentais para a economia mundial, mas seu fornecimento confiável, a um custo acessível e sustentável é cada vez mais problemático. Há uma relação direta entre energia e alguns dos principais riscos globais - incluindo as alterações climáticas e as econômicas, além de alguns riscos geopolíticos. Assim, decisões políticas atuais e futuras sobre energia, inevitavelmente, afetarão o panorama sobre riscos globais. Porém, ainda segundo aquele documento, os incentivos necessários às reformas na economia global da energia de modo a reduzir o risco global, holisticamente, ainda não existem.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Dados, Informação e Conhecimento

Mensagem originalmente postada na Comunidade Web+PróAtiva

Meu Prezado Carlos Alberto e demais

Não é minha intenção criar polêmica, nem diminuir o brilho do texto escrito pelo Ricardo, mas trata-se de uma boa oportunidade de tentar melhor entender uma confusão conceitual, constantemente presente em discussões sobre a relação entre Dados, Informação e Conhecimento.

O autor do texto escreveu:

É feita aqui a distinção entre "dado" (valor sem significado), "informação" (dado com significado) e "conhecimento" (informação estruturada e contextualizada).

Para os que têm algum apreço pela lógica formal, de imediato surge uma contradição, pois se o conjunto dos dados fosse o conjunto do que é sem significado e o conjunto das informações fosse o conjunto interseção do que tem significado com o conjunto dos dados, claro estaria ser o conjunto das informações o conjunto vazio.

É preciso muito cuidado com o que talvez seja resultado de alguma tradução mal feita ou um simples erro de interpretação, induzindo-nos a pensar em dados como algo a priori sem significado.

Dados devem ser entendidos, e uso aqui um pouco do que li no genial Gregory Bateson, como tudo que chega ao aparato sensorial de um sistema que irá processá-los. Esse sistema, mediante operações pré-definidas, classifica-os ou como tendo significado para o sistema, sendo considerados informação, ou como ruído, devendo ser descartados.

O ser humano é um sistema com características muito especiais, pois além de ser capaz de descartar o ruído, pode ainda perceber algum padrão nele e intuir alguma emergência, que irá se transformar em informação.

Os entusiastas da Inteligência Artificial logo dirão que sistemas bem programados podem ser capazes de minerar informações entre enormes volumes de aparentes ruídos, de uma forma que nenhum ser humano é capaz de fazer e têm razão. Eu, porém, falo de algo mais sutil. Algo especial que distingue o ser humano, dando-lhe a capacidade de "desconfiar que alguma coisa nova está acontecendo".

Forte abraço

Fernando Goldman

sábado, 12 de janeiro de 2008

Identidade e Cultura Organizacional

Prezados

Segue o belo video, com um curta de Fernando Meireles, que eu nunca havia visto na TV aberta, sobre o tema identidade. Identidade aqui em um sentido mais nacional.

Esse é um dos sete filmes da campanha "Valores do Brasil" do Banco do Brasil, cada filme custou R$ 13 milhões, cada um deles aborda uma virtude diferente: afeto, alegria, confiança, conhecimento, fraternidade, identidade e originalidade, resultado de uma pesquisa encomendada pelo próprio Banco.A campanha, segundo consta, foi veiculada no horário nobre da TV aberta entre 23 de dezembro de 2004 a 4 de janeiro de 2005.

Não sei se vocês chegaram a ver. Eu não havia visto na TV.

A Identidade pode ser entendida com elemento da Cultura Organizacional ?

Forte abraço

Fernando Goldman



video

Políticas Energéticas, Gestão de Recursos Renováveis e Tecnologias Limpas na Alemanha


Prezados



Segue divulgação de Programa que conta com apoio do Pólo-RJ da SBGC.



Forte abraço



Fernando Goldman





Programa Internacional de Energia, Recursos Renováveis e Tecnologias Limpas
Braunschweig - Alemanha
Uniiversiidade Técniica de Braunschweiig



1 a 9 de setembro de 2008



Coordenação Acadêmica:
Prof. Paulo Pfeil, D.Sc.
pfeil1@globo.com



1- Objetivo do programa:
O principal objetivo deste Programa é apresentar aos seus participantes questões relevantes
relacionadas com os debates de política energética, gestão de recursos renováveis e
tecnologias limpas na Alemanha. Com duração de dez dias, o programa será desenvolvido
na renomada Universidade Técnica de Braunschweig, localizada no Estado da Baixa-
Saxônia, Alemanha.



2- Público-alvo:
Profissionais das áreas de energia, gestão de recursos renováveis e tecnologias limpas, bem
como de demais empresas de bens e serviços correlatas.
O Brasil possui uma situação muito favorável com relação à participação das energias
renováveis na sua matriz energética. Esta é a oportunidade, portanto, para que executivos de
grandes, médias e pequenas empresas se informem e se posicionem em relação ao estado da
arte das grandes discussões e mudanças nas áreas de energia, recursos renováveis e
tecnologias limpas, tanto na Alemanha como na Europa em geral.



3- Estrutura do programa:
A estrutura do programa é composta de palestras e visitas técnicas guiadas na Alemanha,
estas tem como objetivos exemplificar, ilustrar e fixar os conhecimentos e informações
obtidas durante as palestras. Tanto as palestras como as visitas técnicas serão realizadas em
inglês. Os tópicos dessas palestras e visitas técnicas são apresentados a seguir:
- Palestras:
- A matriz energética da Alemanha, Europa e mundial; liberalização do setor de energia.
- A Lei de Energias Renováveis (EEG1) da Alemanha e a matriz energética do país.
- Atividades de biocombustíveis na Alemanha.
- Biolubrificantes.
- Energia de biomassa.
- Energia de efluentes.
- Estocagem de energia e energia renovável.
- Diretrizes quanto aos dispêndios dos equipamentos eletrônicos e elétricos.



1 EEG (,,Erneuerbare-Energien-Gesetz”) : Lei de Energia Renovável na Alemanha

- Visitas técnicas na Alemanha:
- Planta de produção de células solares da Q-Cells AG (Thalheim).
- Utilização térmica de efluentes pela empresa BKB AG (Magdeburg).
- Planta de produção de turbinas de energia eólica da empresa Enercon GmbH (Magdeburg).
- Utilização de energia térmica solar pela empresa Solvis (Braunschweig).
- Museu da Volkswagen (Wolfsburg).
- Feira de Energia Solar – SOLTEC – (Hameln).



4- Periodo:
O programa será realizado entre os dias 1 e 9 de setembro de 2008.



5- Feira de Energia Solar (SOLTEC)
Está prevista uma visita à Feira de Energia Solar (SOLTEC), que se realizará entre os dias 4
e 7 de setembro na cidade de Hameln. As áreas principais de apresentação de produtos são
as relacionadas com produção de calor solar, calor solar e aquecimento (gás, óleo e elétrico),
produção de energia solar fotovoltaica, veículos elétricos e á gás.
(http://www.solarserver.de/termine.html#September2008)



6- Certificado de participação:
O certificado de participação será emitido pela Universidade Tecnológica de Braunschweig.



7- Coordenação acadêmica:
Prof. Paulo Pfeil, D.Sc.



8- Organização geral do evento:
Universidade Tecnológica de Braunschweig e LATEC-UFF.



9- Pré-inscrições:
LATEC - UFF
Sra. Francielly/Sr. Marcelo Meirino
marcelo@latec.uff.br
Tels: 021-2629-5617 / 021-2717-6390

Paradigma de Planejamento do Setor Elétrico Brasileiro baseado na Geração Centralizada e Otimização Energética

Prezados

Tenho insistido na idéia de que o Paradigma de Planejamento do Setor Elétrico Brasileiro baseado na Geração Centralizada e Otimização Energética não se aplica mais, pelo menos em sua concepção original, precisando ser repensado.

Na medida que as hidrelétricas construídas hoje, atendem a requisitos ambientais que impedem a manutenção das antigas relações entre potência instalada e capacidade de armazenamento, não é possível planejar o sistema imaginando a falta de água como fator extemporâneo.

Segue uma notícia publicada no IFE de hoje, ilustrando meu ponto de vista.

Leiam a notícia abaixo e reflitam sobre o impacto durante os meses de pouco fluxo de água, 5 meses, da venda do total da energia possível de ser produzida em Sto Antonio, Rio Madeira, 3150 MW, tratando-se de uma usina de pouca acumulação.

Isso sem contar o custo de transmissão instalada para viabilizar o transposte dessa energia, que fica inoperante.

Forte abraço

Fernando Goldman


1 Gesel: tarifa fica mais cara em 2009
O custo da energia gerada em usinas termelétricas, que está sendo usada para preservar os reservatórios das hidrelétricas, vai pesar no bolso dos consumidores já a partir do próximo ano. O professor Nivalde de Castro, coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) do Instituto de Economia da UFRJ, destacou que os preços médios da energia gerada nas térmicas a gás natural está variando atualmente no mercado entre R$ 230 e R$ 450 o MWh, contra cerca de R$ 130 o MWh da energia hidrelétrica. Estão sendo gerados cerca de 4.500 MW médios de energia térmica, dos quais cerca de 2.600 MW são com gás natural e o restante, a óleo. O coordenador do Gesel alertou que a decisão tomada ontem pelo governo de acionar mais térmicas a óleo vai ter impacto ainda maior nas tarifas cobradas dos consumidores: o custo da energia dessas térmicas é ainda superior ao das térmicas a gás. "As térmicas a óleo são bem mais caras", destacou Nivalde de Castro. (O Globo - 11.01.2008)

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

O Poder das Narrativas nas Organizações

O Pólo-RJ da SBGC e a Biblioteca Popular “Machado de Assis”
promovem uma Oficina Básica de Contação de Histórias(Narrativas)


· Ministrantes: Profas.(Letras) Sonia Sampaio e Deka Teubl
Contadoras de Histórias e Oficineiras

· Objetivo: Desenvolver, por meio de vivências individuais, da literatura, da leitura e análise de textos, de técnicas vocais, do canto e de expressões corporais, a arte de contar histórias.

· Programa:



· O Contador de Histórias
· Habilidades do Contador de Histórias
· Os Diversos Tipos de Histórias
· O Conto Popular e o Conto Autoral
· Conscientizaçã o Corporal e Expressão Vocal
· Para Quem, Aonde e Quando Contar Histórias
· Bibliografia
· Contação de Histórias pelos Participantes
· Entrega de Certificados





· Datas: 15, 22 e 29 de Janeiro de 2008 (terças-feiras)
· Horário: das 14:00 às 17:00 horas
· Carga horária: 9 horas (3 encontros de 3 horas)
· Investimento: R$ 60,00
· Local: Auditório da Biblioteca Popular de Botafogo
· Endereço: Rua Farani, 53 – Botafogo – Rio de Janeiro

· Inscrições por telefone ou e-mail até 14/01/2008:
(21) 2551-3572 / sonia.sampaio@ oi.com.br
(21) 3237-7237 / dekateubl@yahoo. com.br

Apples and Ideas

Comprovando a tese defendida por muitos de que sempre se fez Gestão do Conhecimento, recebi este simpático trecho de George Bernard Shaw. Não do próprio, é claro. Ele pelo visto já entendia um pouco do assunto :

"If you have an apple and I have an apple and we exchange apples then you
and I will still each have one apple. But if you have an idea and I have
one idea and we exchange these ideas, then each of us will have two ideas.
"

Forte abraço

Fernando Goldman